Agora pode comprar músicas do CD "Rascunhos" online no website:
http://www.factorq.co.uk

Compre música portuguesa e ajude-nos a manter o www.cantodaterra.net online!
Buy Canto da Terra’s music now !

Procurar: no canal:

 • Biografia de: Rosa Damasceno
 

Rosa Damasceno

Actriz contemporânea. Nasceu no Porto a 23 de Fevereiro de 1849, faleceu no Gradil a 5 de Outubro de 1904.

Seu pai era militar; e quando faleceu, veio Rosa com sua mãe para o Alentejo, e entrou como actriz numa companhia ambulante, dirigida por um antigo actor e empresário, chamado Lopes.
Percorreu com a companhia diversos teatros da província, agradando sempre muito, até que Marcolino Pinto Ribeiro, antigo actor do teatro de D. Maria II, vendo-a representar, tão entusiasmado ficou que lhe aconselhou e à mãe, viessem para Lisboa porque a novel actriz tinha bastante mérito para fazer uma carreira artística distinta Marcolino apresentou-a então ao comissário régio, o Dr. Luís da Costa Pereira, que a admitiu, e lhe deu um pequeno papel, escriturando-a ás noites, como se usava muitas vezes nessas época.

Construía-se o teatro da Trindade, e o seu director, o falecido Francisco Palha, tendo conhecimento das disposições para a acena e os dotes de formosura de que era dotada Rosa Damasceno, propôs-lhe escritura, que dia aceitou, realizando-se o seu debute no dia da inauguração do referido teatro a 30 de Novembro de 1867, entrando nas duas peças que se representaram, A mãe dos pobres, drama em 5 actos, de Ernesto Biester, e O Xerez da viscondessa, comédia em 1 acto, tradução de Francisco Palha.

O êxito, que obteve, foi dos mais satisfatórios. Representou então em grande parte do reportório, cultivando também a opereta, em que muito sobressaía a sua voz maleável e dum timbre agradável. Mencionaremos as seguintes peças: A familia Benoiton, Conspiração na aldeia, O senhor Procopio Baeta, Pupilas do Sr. reitor, Boa desforra, Ultima moda, Casamento singular, As amazonas de Tor­mes, Ouros, copas, espadas e paus, Campainhas, Avarento, Baile da condessa, Novelia em acçao, Casa de Orates, Peor inimiga, Quem desdenha, Um murro e um lenço, Quatro mulheres numa casa, Mãos de fidalgo, Amores de primavera, O Barba Azul, A gata borralheira, O rouxinol das salas, As três rocas de crystal, etc.

Rosa Damasceno passou depois para o teatro de D. Maria II, que então era explorado por uma empresa particular. Foi ali que a sua carreira se tornou mais gloriosa, tomando também parte em muitas peças do reportório, recebendo frenéticos aplausos que o público sempre lhe dispensava como uma das suas actrizes mais predilectas.

Entrou então na Mantilha de renda, Amigo Fritz, Fourchambault, Tio Milhões, Madrugada, O alfageme de Santarém, Os Velhos, João de Thommaray, Marquez de Villemer, Sociedade onde a gente se aborrece, Os fidalgos da Casa Mourisca, Duque de Vizeu, Varina, Cigarra, Arlesiana, Abbade Constantino, D. Affonso Vi; Alcacer-Kibir, O intimo, Guerra em tempo de paz, Amigo das mulheres, O bibliothecario, D. Leonor TelIes, Hamlet, Triste viuvinha, Metter-se a redemptor, etc. Esteve depois no teatro de D. Amélia, desde 1898 até à data do falecimento.

Neste teatro ainda aumentou consideravelmente o seu enorme reportório, apresentando-se nas peças O que morreu d’amôr, Maridos de Leontina, Amôr de mãe, Meia noite, Côrte na aldeia, Degeneradas, Corrida do facho, Fromont & C.ª, Castello his­torico, Outro eu, Pouca sorte, Torrente, Auto pastoril, Segredo do PolichinelIo, Paço de Veiros, Ressurreição, Cruz da esmola, Segredo da confissão, etc. A ultima peça que representou foi O Adversario.

Rosa Damasceno fez uma digressão ao Brasil em 1892, percorrendo o Rio de Janeiro, S. Paulo, etc. Era casada com o actor Eduardo Brazão.

 
 
««« Voltar
 
 

 

© 2003-2011 Canto da Terra - Todos os direitos reservados.
Desenhado para IE 5.x - Resolução mínima: 1024x768.
6469033 páginas visitadas - 57 visitantes ligados
Contacte o programador